Segundo a Prefeitura, o caso suspeito é de um homem identificado como encarregado de logística da distribuidora oficial da Backer no Norte de MG.

Ele contou ter bebido cinco garrafas de Belorizontina em 8 de janeiro.

Frasco da cerveja recolhido por equipe das Vigilâncias Epidemiológica e Sanitária Prefeitura de Montes Claros / Divulgação A Prefeitura de Montes Claros notificou o Governo de Minas Gerais sobre um caso suspeito de intoxicação por dietilenoglicol.

De acordo com o município, a situação foi repassada ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Estado de Minas Gerais (CIEVS) e à Gerência Regional de Saúde nesta quarta-feira (22). O G1 procurou pela Secretária de Estado de Saúde para saber sobre o paciente de Montes Claros.

O órgão destacou que as informações que dispõe até o momento foram divulgadas nesta terça (21).

O boletim aponta 22 casos suspeitos nos municípios de Belo Horizonte, Capelinha, Nova Lima, Pompéu, São João Del Rei, São Lourenço, Ubá e Viçosa.

Quatro pessoas morreram. Sobe para 22 o número de casos suspeitos de intoxicação no caso Backer em Minas Segundo a Prefeitura de Montes Claros, o caso suspeito é de um homem identificado como encarregado de logística da distribuidora oficial da Backer no Norte de MG.

Uma equipe com funcionários das Vigilâncias Epidemiológica e Sanitária do município esteve na casa dele e recolheu frascos da Belorizontina.

Ele contou que bebeu cinco garrafas da cerveja em 8 de janeiro e disse que fez a ingestão porque as cervejas não faziam parte dos lotes divulgados como contaminados.

O homem falou ainda que sentiu dor abdominal, vômito, diarreia, cefaleia, câimbra e dormência nos braços no dias seguintes.

Ele afirmou não ter procurado atendimento médico porque os sintomas se reduziram com o passar dos dias.

Mas, em 20 de janeiro, ele procurou a Santa Casa ao ter um mal estar súbito, taquicardia, sudorese e dormência na face.

O hospital informou a situação ao município. “A Instituição informa que o paciente passou por exames iniciais, nos quais os resultados não apresentaram alterações.

Na oportunidade, a Santa Casa esclarece que foi colhido exame laboratorial específico, que foi encaminhado para Belo Horizonte para análise.

O hospital informa ainda que a Vigilância Epidemiológica do município foi notificada”, afirma nota da Santa Casa.

O hospital ainda informou que, como o quadro do paciente se manteve estável, ele recebeu alta na terça-feira (21).

A Backer afirmou que aguarda o resultado das apurações e que continua à disposição das autoridades.

Entrega de cervejas em Montes Claros “A Vigilância recomenda que não sejam consumidos os demais lotes do produto, bem como nenhuma outra cerveja produzida pela cervejaria Backer, até que o processo de apuração que se encontra em curso no âmbito do Estado de Minas Gerais seja concluído”, afirma nota da Prefeitura. Em relação aos estabelecimentos que vendiam a Belorizontina, a orientação é que impeçam o consumo da cerveja até a conclusão das investigações.

A Prefeitura informa ainda que os consumidores que têm a cerveja Belorizontina em casa e desejam se desfazer do produto poderão entregá-lo à Gerência de Vigilância Sanitária, na Avenida Dulce Sarmento, 2076 - Bairro Monte Carmelo, em horário comercial.

Outras informações pelo telefone (38) 2211-4363. Sintomas Os sintomas começam a se manifestar nas primeiras 72 horas após a ingestão.

Os primeiros sinais de intoxicação por dietilenoglicol são dores abdominais, náuseas e vômitos.

Entre os sintomas estão alterações neurológicas e insuficiência renal.

O tratamento é feito no hospital, com monitoração, e tem o etanol como antídoto. Além disso, os pacientes precisam passar por hemodiálise, para retirada do organismo dietilenoglicol e dos metabólicos produzidos. Initial plugin text