O Youtube removeu um vídeo onde uma pediatra criticava os procedimentos de mudança de sexo, tanto os tratamentos hormonais, quanto as cirurgias de remoção dos órgãos reprodutivos.

O vídeo com a entrevista da Dra.

Michelle Cretella ao canal Daily Signal foi postado em 2017 e foi removido recentemente pela plataforma que caracterizou o conteúdo como “discurso de ódio”.

No vídeo, a médica, que faz parte do American College of Pediatricians, explicava a diferença entre distúrbio de integridade corporal e disforia de gênero, que são temas debatidos na Medicina.

“Veja, se você quer cortar uma perna ou um braço, está doente mental, mas se quer cortar seios ou pênis saudáveis, é transgênero”, disse ela.

A frase foi interpretada como “discurso de ódio” pelo Youtube.

“”Estamos especialmente decepcionados com a decisão do YouTube, porque outras plataformas de mídia social permitiram o vídeo em suas plataformas.

De fato, o vídeo tem mais de 70 milhões de visualizações no Facebook”, disse o canal Daily Signal.

Em julho de 2018 o vídeo chegou a ser removido do Facebook também, mas foi restaurado rapidamente e continua no ar.

A médica Cretella comentou a decisão dizendo estar agradecida ao Youtube por mostrar o quão arraigada a ideologia se tornou dentro das organizações.

“Quero agradecer ao YouTube por revelar de uma vez por todas que este vídeo não foi censurado por conter ‘discurso de ódio’, mas por uma frase que demonstrou o quão politizadas nossas associações médicas e psicológicas se tornaram”, disse ela ao The Christian Post.

O canal também se colocou contra a decisão e disse que Youtube se coloca contra o lado direito da história.

“Isso apenas mostra que é uma grande empresa de tecnologia que prioriza as preferências do ativista que sobrou da liberdade de expressão para todos”, disse.